Depoimentos

A escola Aldeia Montessori com seus profissionais maravilhosos ficarão para sempre em nossos corações! Os ensinamentos não são um legado que só as crianças levarão, mas toda a família! Combinados, cada um tendo o seu tempo/jeito, o foco na independência... todos ganhamos muito! Gratidão por tudo!  

Por Rosângela Gomes, mãe do Ricardo Prearo, 2017.
Termino esse ciclo com a certeza absoluta que fiz a escolha certa! Foram 10 anos e alguns meses juntos e olhando para trás, eu faria tudo novamente.  Nós só temos a agradecer por todo ensinamento, cuidado, carinho, acolhimento e respeito! Ana Flor é uma criança montessoriana e isso fará sempre a diferença!  Obrigada Aldeia Montessori, obrigada, obrigada!!!!!!!
Thaísa Abeid, mãe da Ana Flor 2017.
Nunca esqueci do recado que deixou na minha blusa quando completei a antiga 4ª série: "Brilhe!" Essa escola é maravilhosa e acompanhará cada um desses pequenos para sempre, pois nos forma seres sensíveis, atentos aos outros e com autonomia! :) Parabéns a todos!

Por Fernanda de Moura Borges, ex aluna da Aldeia.
Nem todos tem a honra de estudar numa escola inovadora. Aonde aprende-se não só a ler e escrever, mas a partilhar, cuidar do espaço, socializar o tempo, a comida, a classe. Mistura de anos, de sabores, de amores. Como sou grata. Marcia Pires Frias, Marcia Righetti vocês são exemplo de educadoras. Saber o nome de todos os alunos, conhecer a família, as histórias, se preocupar de verdade. Isso é raridade. Vale tanto que não cabe em palavras. Essa manhã de retorno a casa da infância renovou a vontade de construir um futuro melhor para aquelas crianças. Gratidão transbordante. Aldeia, só quem viveu entende o que é ser parte disso. Bom dia!
Por uma menina chamada Helena, hoje com 20 e poucos anos.
Desde que minha filha começou a estudar na Aldeia  venho recebendo textos, participando de reuniões sobre a metodologia Montessori. Sempre ouvi falar que a aprendizagem começa  no berçário, mas pouco importa para uma mãe nesta fase: queremos ver nossos filhos fortes e gordinhos... É difícil para nós entendermos como crianças tão heterogêneas, com idades variadas podem ser trabalhadas de uma forma individual (ritmo próprio de conquistas). Somos abordadas  pelos  nossos amigos: - Sua filha está no Maternal 1? - Não, está na Agrupada  II. -(Espanto!!!) O que é isto? E por aí vai... O que quero elucidar é que  uma “Mãe Montessori” fica ansiosa no berçário (quando vai andar?), na agrupada  I (quando vai falar direitinho?), na agrupada II (quando irá ler e escrever?). No entanto, as ansiedades aos poucos vão se transformando em confiança. Aquela criancinha anda, fala  e começa a escrever de uma forma espontânea e definitivamente conquistada. No convívio social quando dizem que a minha filha é mais espertinha, olho para ela e vejo o seu desenvolvimento cognitivo: tão natural e tranquilo. Realmente, aí vem a certeza de ter feito uma escolha certa. Mas isto não quer dizer que a tão falada explosão da leitura e da escrita, da minha lindinha, ficou esquecida. Afinal, uma  “Mãe Montessori” é igual a São Tomé: só vendo para crer... Um crer consciente, que acredita no resultado de um trabalho, ou melhor, de uma equipe, da qual também faz parte: torcendo, sofrendo e conquistado junto.
Reflexões de uma “Mãe Montessori", por Marcia Contreras, mãe de Isabelle,1998